PARQUE NACIONAL DA CHAPADA DIAMANTINA

Vista de cima do Pai Inácio O Parque Nacional da Chapada Diamantina foi criado em setembro de 1985,através do Decreto n.º 91.655, com o objetivo de proteger amostras dos ecossistemas (24) da Serra do Sincorá, assegurando a preservação de seus recursos naturais, além de proporcionar oportunidades controladas para uso público na educação, na pesquisa científica e, sobretudo, contribuindo para a preservação de sítios e estruturas de interesse histórico-cultural existentes naquela região.

Situado numa área de, aproximadamente, 152.000 hectares, o Parque Nacional compreende os municípios de Lençóis, Andaraí, Palmeiras, Mucugê, uma faixa estreita de Ibicoara, além da proximidade das localidades de Igatu, Guiné, Caeté-Açu, Rio Grande, Lavrinha, Tijuca, Estiva Nova, Tapiacanga, Capão, Conceição dos Gatos, Barriguda, Pau-Ferro e outros.

+ Fotos do Parque Nacional da Chapada Diamantina

A região do Parque Nacional e seus arredores são considerados um dos refúgios paisagísticos mais belos do País e, talvez, do mundo. 
Para esse local afluem milhares de pessoas na tentativa de redescobri-la, em seus naturais mistérios, felizmente ainda conservados, através de suas matas do tipo sempre-verde, que se estendem pelas encostas dos morros, nos grotões das serra, nos campos gerais, nas matas ciliares ao longo dos córregos e rios, nos jardins naturais da vegetação rupestre, nos vales quase intocados do Paty, nas nascentes de águas cristalinas e nas inúmeras variações florísticas inseridas nesses ecossistemas. 

Existe uma grande preocupação dos ambientalistas imbuídos que estão, assim como nós, na tarefa da conservação do Parque Nacional e de sua biodiversidade (25).

Essa preocupação justifica-se em razão das experiências desastrosas do passado, haja vista os efeitos traumáticos causados no sistema fluvial provenientes dos desvios de cursos d'água dos rios, ocasionados pela atividade de mineração: herança das lavras de diamante. 
O interesse imediatista de alguns poucos, o uso inadequado e o abuso dessas atividades ocasionaram grande impacto ambiental, perfeitamente visível em grandes "monchões" (26), que se estendem ao longo do Rio São José e às margens da antiga estrada do garimpo. 
Esses monchões podem ser vistos através da imagem do satélite Landsat-5.

Outra questão que nos preocupa e que merece especial cuidado e ação preventiva refere-se às queimadas que acontecem na região chapadense.
Este perigo tem ocorrido principalmente no período mais seco, entre os meses de agosto a novembro. 
Essas queimadas resultam em grandes prejuízos para a fauna e a flora pois, sem a cobertura vegetal - refúgio de animais silvestres -, o solo e as encostas dos morros ficam desprotegidos, favorecendo, em períodos de chuva intensa, a erosão e o assoreamento (27) dos rios, lagos e baixadas.
Dessa forma, parte do complexo mosaico dos Altiplanos (28), serras e vales que compreendem o Parque Nacional, vão-se desfigurando, surpreendentemente.

" A crise ecológica criada pelo crescente abuso do nosso planeta é profundamente indicativa de uma outra, mais humana, interior e espiritual.
Embora essas duas crises possam diferir na superfície, compartilham uma origem comum na nossa profunda separação da Natureza e de nós mesmos..."
Dalai Lama 

 

Vale a pena preservar
As 376 áreas protegidas do Sistema Nacional de Parques dos Estados Unidos recebem, por ano, mais de 270 milhões de visitantes, que geram receita de 10 bilhões de dólares e 200.000 empregos. No Brasil, entre as 134 Unidades de Conservação Federais, apenas uma é lucrativa: a do Parque Nacional de Foz do Iguaçu. Estas unidades (reservas biológicas, estações ecológicas e parques nacionais) correspondem a 31 milhões de hectares, quase 4% do Território nacional. É pouquíssimo, comparado com a realidade de outros países. Fonte: WWF-BR


(24) Ecossistema - conjunto de fatores físicos e bióticos (referentes a seres vivos) que caracterizam um determinado lugar, estendendo-se por um determinado espaço de dimensões variáveis.

(25) Biodiversidade - variedade e variabilidade entre organismos vivos, incluindo o número de  espécies, indivíduos, diversidade genética, bem como os ecossistemas.

(26) Monchões - designação dada aos buracos feitos para remoção do cascalho na prática rudimentar da procura dos diamantes. Distam da margem dos cursos d'água até 1 km.

(27) Assoreamento - obstrução de rio, canal, estuário ou qualquer corpo d'água por acúmulo de substâncias minerais (areia, argila) ou orgânicas (lodo), o que provoca redução de sua profundidade, comprometendo o fluxo dos rios e os lençóis subterrâneos.

(28) Altiplano - terreno plano e elevado; planície sobre montes (planura, chapada, platô).